[…]

eu te pergunto o tempo da tua presença
pois te pergunto e isto me reenvia a ti
por este caminho impossível de uma saída
por uma entrada, por um movimento
diante do estático que é perguntar
quando eu poderia apenas experienciar
tua presença em teu rosto morno
como o dom da presença pura
que se obtém de um retorno impossível
porque pergunto e devo perguntar
qual é o teu lugar entre todas as partes
o que te faz suceder em teu próprio corpo
o impulso de abrir tua linguagem a mim
e minha linguagem a ti como um cofre
que acessamos por esquecê-lo
e o coração se torna um cofre do cofre
um dia aberto pela chave impossível
do impulso original de um silêncio.

[…]

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s